Economia

Crescimento econômico chinês cai para 4,9% no terceiro trimestre

Publicado em: Segunda-feira, 18 de Outubro de 2021, 09:36h - Por: Redação
Compartilhar
Reprodução

A economia da China cresceu apenas 4,9% no terceiro trimestre de 2021, a taxa mais fraca de expansão em um ano, enquanto o país enfrenta uma grande crise de energia, interrupções na cadeia de abastecimento e agravamento dos problemas de dívida em seu setor imobiliário.

A taxa de crescimento de um ano atrás no período de julho a setembro foi muito mais lenta do que o aumento anual de 7,9% registrado pela China no segundo trimestre. Esta é também a taxa de crescimento mais fraca desde o terceiro trimestre de 2020, quando o PIB também cresceu 4,9% ano a ano.

Os dados do Escritório Nacional de Estatísticas da China sugerem que a economia da China está sofrendo com uma série de desafios nos últimos meses.

O país está passando por uma crise de energia que está afetando a produção de fábricas e levando a cortes de energia em algumas áreas. Esse problema foi alimentado pela demanda no início deste ano por projetos de construção que precisam de combustível fóssil e estão em desacordo com a busca de Pequim por metas ambiciosas de redução das emissões de carbono.

Algumas fábricas reduziram turnos devido ao racionamento de energia. Os preços do carvão estão em níveis recordes. Os estoques crescentes e os atrasos nas remessas também afetaram os fabricantes menores na China, que agora estão com problemas de caixa, forçando-os a cortar a produção ou perder pedidos.

A crise da dívida do conglomerado chinês Evergrande também gerou preocupações sobre os riscos de contágio para o gigantesco setor imobiliário e para a economia em geral. A propriedade, juntamente com as indústrias relacionadas, responde por até 30% do PIB do país.

O colapso de Evergrande pode assustar investidores e compradores em um momento em que as vendas de propriedades e a atividade de construção já estão diminuindo.

Uma possível onda de inadimplências por parte dos desenvolvedores pode ter um impacto significativo no crescimento e representar riscos para a estabilidade financeira.

Ainda assim, as autoridades têm procurado amenizar os temores sobre os problemas que afetam a economia.

O Banco Popular da China disse na última sexta-feira que a Evergrande administrou mal seus negócios, mas os riscos para o sistema financeiro eram “controláveis”.

Agora, o governo usou uma linguagem semelhante para moderar as preocupações sobre a crise energética. Fu Linghui, porta-voz do National Bureau of Statistics, disse que “o fornecimento restrito de energia é apenas uma fase, e o impacto na economia é controlável”.

Fu também destacou que os preços globais da energia “subiram acentuadamente” desde o início do ano, e alertou que o fornecimento de energia e carvão na China está apertado.

Ainda assim, ele disse que a crise seria “aliviada” à medida que o governo implementasse medidas para controlar o problema. No início deste mês, por exemplo, a China encomendou minas de carvão para aumentar a produção.

A China ainda está no caminho para cumprir a meta de crescimento anual definida por Pequim de mais de 6%.

Nos primeiros três trimestres de 2021, o PIB cresceu 9,8% em relação ao ano anterior, quando a pandemia Covid-19 estava cobrando seu maior tributo.

Mas as autoridades ainda estão alertando sobre as preocupações à frente. Fu observou que a recuperação econômica “ainda é instável e desigual”. “Os desafios de manter a economia em bom funcionamento aumentaram”, acrescentou.


Fonte: CNN

Aviso de cookies
Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Saiba mais na nossa Política de privacidade