Educação

Mães fazem manifestação na Ponte Estaiada sobre o retorno imediato das aulas nas redes privada e pública de ensino no Piauí

Publicado em: Quarta-feira, 09 de Fevereiro de 2022, 17:26h - Por: Efrém Ribeiro
Compartilhar
Efrém Ribeiro

As mães de estudantes, organizadas no movimento @voltaasaulasteresina, fizeram manifestação, a partir das 17h, na Ponte Estaiada, no bairro de Fátima, na zona Leste de Teresina, pelo retorno das aulas nas redes privada e pública do Piauí.

O governador Wellington Dias (PT) adiou as aulas na rede pública estadual de ensino do dia 7 de fevereiro para o dia 3 de março e editou um decreto estabelecendo protocolos para o funcionamento das escolas privadas.

A servidora pública Ingrid Balduíno disse que as mães não entendem o motivo do governador Wellington Dias fechar as escolas.
"O governador Wellington Dias quer fechar as escolas particulares e não quer abrir as escolas públicas. Por que? 90% da população está vacinada e a maioria das crianças está se vacinando. Qual é o motivo, governador?", indaga Ingrid Balduíno, mãe de um filho de oito anos, que estuda em uma escola particular.

Segundo ela, as escolas particulares estão funcionando com um protocolo decretado por Wellington Dias que impede seu funcionamento porque se dois alunos sentirem sintomas de Covid-19, sem necessidade de exames, e avisar para a escola, a turma onde estuda é suspensa; a partir de três alunos com sintomas, o turno é suspenso; e se os três estudantes forem de turnos diferentes as aulas serão suspensas para toda a escola.

A servidora pública Ilara Madeira declarou que as mães estão reivindicando o retorno das atividades escolares, com a reabertura das escolas que estão fechadas, as escolas abertas sejam mantidas funcionando e os protocolos sejam revistos.
"Não tem sentido nenhum a gente isolar crianças saudáveis.

O atual protocolo das escolas determina que se duas crianças positiva tem precisa isolar a turma inteira, mesmo que os outros alunos não tenham sintomas", falou Ilara Madeira, mãe de dois filhos em idade escolar.

Ana Paula Ramalho, no carro de som das mães dos estudantes, perguntou por que o governador Wellington Dias mantém as escolas fechadas prejudicando as crianças e os adolescentes, em especial os filhos de famílias que não têm dinheiro para a compra de smartphones, tablets e notebooks para que possam acompanhar as aulas virtuais.

"Governador Wellington Dias explique por que as crianças de famílias pobres estão sem aulas e seus netos estão frequentando as escolas?", indagou Ana Paula Ramalho.

A advogada Daniela Francatti declarou que a suspensão das aulas está aprofundando ainda mais o abismo que está existindo entre a escolas públicas e particulares.

"Este abismo entre escolas públicas e privada tão cedo não vai ser recuperado. As crianças das escolas públicas não fazem seus trabalhos escolares porque não têm notebooks, não têm telefones celulares. Estas crianças realmente estão aprendendo? Não estão. As crianças das escolas públicas merecem respeito", declarou Daniela Francatti.

Lilian de Carvalho disse que nas aulas presenciais as crianças e adolescentes aprendem melhor.

"Vou dar o exemplo de minha filha. Ela estuda em escola particular e, por causa dos protocolos do governador Wellington Dias, ela está esta semana tendo aulas on-line. Ela não se concentra nas aulas. Todas as crianças ficam o tempo todo levantando os dedinhos para a professora. É uma bagunça danada. Elas não acham o material, a gente tem que ir para a escola pegar as tarefas. É um transtorno, os aplicativos são diferentes para a agenda e para as tarefas e minha internet é boa", falou Lilian Carvalho.


Fonte: Efrém Ribeiro

Aviso de cookies
Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Saiba mais na nossa Política de privacidade